Pilates vai além das poses acrobáticas de Instagram

O Pilates é acessível a todos, haja vista que a prática envolve conhecimentos de consciência corporal e concentração. A surpresa para algumas pessoas é descobrir que o método não é pose para Instagram.

Concentração, controle, precisão, fluidez, centralização e respiração. Isso não se aplica com qualidade de uma hora para outra. É preciso treinar com atenção no que se está fazendo. É você e seu corpo. Se você trapacear, será justamente trapacear seu corpo. Se você for honesto consigo mesmo, vai perceber os benefícios da prática.

É um método democrático, visto que todos podem fazer. Isso que dizer que atletas podem fazer? Sim. Adolescentes? Sim. Grávidas? Sim. Idosos? Sim.

Pilates não é só para quem tem recomendação médica. Você pode fazer musculação e também fazer Pilates, pois os objetivos são diferentes. Pode praticar natação e também Pilates. Pode fazer dança de salão e também Pilates. Pode fazer nada e também fazer Pilates. Que incrível!

O objetivo deste artigo não é descrever benefícios da prática apenas. Aqui no Presttention você encontra outras matérias sobre o método. Este é um artigo de opinião da vivência de uma acadêmica de Fisioterapia que concluiu, neste último domingo, o segundo módulo do Curso de Pilates.

Percebi o quanto o método é importante e tem resultados efetivos em pouco tempo da prática. Que mais pessoas podem ter acesso aos seus benefícios. Afinal, qualidade de vida é um direito de toda pessoa. Qualidade para sentar e levantar sem dificuldades, para pegar algum objeto na prateleira, para conseguir amarrar os cabelos sem dor nas articulações, etc.

Ana Célia Costa

Acadêmica de Fisioterapia

Jornalista (DRT 326)

Capacitação para escolher um bom curso de Pilates

Acadêmicos e profissionais da Fisioterapia/Educação Física que procuram um curso de Pilates também pode estudar como escolher e quais são os melhores requisitos para essa capacitação na área. A ideia é das empreendedoras do Studio Flex, Carolina Nóbrega e Daliane Barbosa. Elas são as criadoras da Jornada DEEP PILATES, que será realizada no dias 03, 04 e 05/11, às 20h, no formato on-line e totalmente gratuita.

Segundo informações do artigo “Comparação dos aspectos da autoimagem e domínios da qualidade de vida em idosos praticantes e não praticantes de Pilates em Curitiba, Paraná”:

“A prática de exercícios físicos sem atenção plena leva ao declínio da consciência corporal na vida adulta e idosa, sendo que Joseph Pilates pensava que somente por meio de uma boa educação corporal é que seria possível corrigir os maus hábitos. Por isso, é importante que a educação em consciência corporal seja trabalhada desde cedo, para que ocorra o desenvolvimento uniforme do corpo, vitalidade e maior qualidade de vida no envelhecimento. O praticante do método Pilates aprende a sentir seus movimentos, a ter autopercepção corporal ao executá-los e explorar variações ao mover-se.”

Programação:

Episódio 1: Pilates – O que é e para quem é.
03 de Novembro (Quinta-feira) 12h (Horário de Brasília)

Episódio 2: Como fazê-lo mesmo sem aparelho e o mínimo de investimento.
04 de Novembro (Sexta-feira) 12h (Horário de Brasília)

Episódio 3: O primeiro passo para o ser o MELHOR PROFESSOR – Biomecânica.
05 de Novembro (Sábado) 12h (Horário de Brasília)

Como é realizada a inscrição?

Clique aqui.

Ana Célia Costa

Acadêmica de Fisioterapia

Jornalista (DRT 326)

Pilates e Ginástica (on-line ou presenciais) são importantes no tratamento de idosos com depressão

A prática do Pilates e da Ginástica (tanto no modo on-line quanto presencial) é efetiva no tratamento de idosos com depressão. Essa foi a conclusão da pesquisa “Sintomas de depressão em idosos praticantes de pilates e de ginástica online durante a pandemia da covid-19”. O estudo é da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e foi apresentado, recentemente, no Congresso Internacional de Ciências do Movimento Humano.

O objetivo do estudo foi verificar os níveis de depressão em idosos que praticavam Pilates e Ginástica on-line durante o período de confinamento da pandemia.

Período de análise: 3 meses.

Idosos participantes:

Pilates on-line: 72

Ginástica on-line: 63

Do grupo que praticava Pilates, 11% teve Covid.

Do grupo que praticava Ginástica, 9% teve Covid.

A maioria dos idosos avaliados já praticavam alguma atividade física antes da pandemia.

Ana Célia Costa

Acadêmica de Fisioterapia e de Estética

Jornalista (DRT 326)

Pilates para mulheres surdas

Como o Pilates pode contribuir com a saúde da mulher surda?

Concentração, controle, precisão, fluidez, centralização e respiração. Estes são os princípios do Método Pilates. Seus benefícios vão desde melhoria na qualidade do sono à melhoria na vida sexual. 

Agora, ao especificarmos o público, podemos pensar nos benefícios do Pilates para a mulher surda: 

  • Promove o condicionamento físico;
  • Melhora a consciência corporal e o equilíbrio; 
  • Alinhamento postural;
  • Melhora a flexibilidade e o alongamento; 
  • Melhora a vida sexual.

Segundo o estudo “O equilíbrio dos indivíduos portadores de deficiência auditiva” do curso de Fisioterapia, da Universidade de Passo Fundo (Rio Grande do Sul), 95% dos indivíduos surdos apresentaram falhas nos testes de equilíbrio estático. Ao associarmos este estudo com o que foi apresentado aqui é possível entender como o equilíbrio é um dos benefícios da prática do Pilates para a comunidade surda.  

“O estudo foi composto por 40 indivíduos de ambos os sexos, com idades entre 7 e 15 anos, sendo que 20 indivíduos são portadores de deficiência auditiva e 20 indivíduos não portadores de deficiência auditiva, todos provenientes da Escola Estadual da cidade de Passo Fundo.”

“As pessoas surdas possuem dificuldades. Está muito atrelado às estratégias que são necessárias para fazer o Pilates. Vamos trabalhando a questão do uso das mãos. No caso da respiração estou usando meu corpo para executar o sinal de expirar e respirar. O entendimento é de suma importância para que ela possa me copiar e que eu seja uma referência para ela (paciente)”, explicou a fisioterapeuta Dra Jorlúzia Alves durante palestra no segundo dia do Seminário Saúde da Mulher Surda, da Universidade Estadual do Piauí (UESPI). 

Questionada sobre a existência de alguma capacitação específica para profissionais da Fisioterapia no aprendizado dos sinais específico de Libras para o Método Pilates, Jorlúzia Alves informou: “Infelizmente não temos esses sinais próprios. Essas pesquisas precisam estar acontecendo.  Isso é algo histórico porque agora que as coisas estão acontecendo. São poucos profissionais e até agora eu sou a única que trabalha com a Fisioterapia e a surdez. Eu não conheço um curso específico dos sinais para o Pilates. É necessária essa disseminação, essa pesquisa de sinais. Mas é algo que nessa trajetória pode ser mudada”.

Ana Célia Costa

Acadêmica de Fisioterapia e Estética

Jornalista (DRT 326)