Estética: clareamento íntimo

Embora o procedimento ainda necessite de mais pesquisas científicas, o clareamento íntimo já é um dos destaques estéticos dos últimos meses, no Brasil. A principal reclamação de algumas mulheres é referente ao escurecimento das áreas íntimas. Isso pode ocorrer por causa da depilação e de outros tipos de atrito na pele. Exemplo: o uso de calça jeans apertada. Outros motivos pode ser o laser ou a gravidez. A menopausa também pode interferir na coloração.

Quais áreas podem ser clareadas?
Vulva (lábios externos), virilha, área interna das coxas, perianal (ânus e períneo) e axilas.

O procedimento tem mais etapas?

Além do clareamento em clínica de Estética, também é recomendado continuar com tratamento com dermocosméticos em casa.

Ana Célia Costa

Acadêmica de Fisioterapia e de Estética

Jornalista (DRT 326)

Bioquímica da beleza: o ácido retinóico

Embora o ácido retinóico seja mais conhecido pelas questões estéticas (no tratamento de acne, estrias, etc), sua função no organismo vai bem além disso.

A vitamina A (ou retinol) possui várias formas. Funciona como hormônio e pigmento fotossensível aos olhos. É importante destacar que o betacaroteno presente em alguns vegetais pode ser convertido em vitamina A. Exemplos:

  • cenoura;
  • beterraba;
  • acerola;
  • milho;
  • abóbora e
  • pimentão, etc.

Mas o que o ácido retinóico regula?

A expressão gênica no desenvolvimento da nossa pele (que faz parte do tecido epitelial).

Segundo informações da pesquisa ” Vitamin A and the eye: an old tale for modern times”:

“As apresentações clínicas associadas à deficiência de vitamina A persistem em regiões pobres ao redor do mundo com os mesmos achados clínicos descritos há séculos. No entanto, novas formas de problemas causados pela vitamina A afetam os olhos, estão associados com os hábitos da sociedade moderna e tem causado preocupação. Eles exigem a atenção dos oftalmologistas, pediatras, internistas, dermatologistas e nutricionistas, devido à sua gravidade e diversidade de causas. Uma vez que os olhos e seus anexos são órgãos muito sensíveis à deficiência e excesso de vitamina A, manifestações oculares podem ser indicadores precoces do desequilíbrio de vitamina A. Essa revisão também traz evidências sobre a relação entre a terapia com ácido retinóico e doença do olho seco.”

Ana Célia Costa

Acadêmica de Fisioterapia

Jornalista (DRT 326)